Moldávia: quando o povo apoia o que a elite não quer Versão para impressão
Terça, 13 Julho 2010

 Pouco interessa se o PC moldavo foi o único partido que sempre aceitou o resultado que obteve em qualquer eleição no país, o que na verdade importa é limpar do mapa uma força política maioritária na sociedade que estorva a elite moldava.

Artigo de Fabian Figueiredo

Em Abril de 2009 houve eleições para o Parlamento da Moldávia, o Partido Comunista conseguiu um total de 60 lugares em 101.

A oposição não aceitou os resultados e seguiram-se largos dias de pilhagens e de actos desordeiros, que José Milhazes descreve bem:

"Este movimento desordeiro não é uma revolução anti-comunista até porque o Partido dos Comunistas da Moldávia nada tem a ver com partidos homónimos clássicos. Pode não ter feito muito para arrancar o país da cauda da Europa, mas tem respeitado as regras do jogo democrático. Não esconde a intenção de aproximação à União Europeia, mas mantém boas relações com Moscovo para não perder a Transdniestria.

Vladimir Voronin é um dirigente dos equilíbrios possíveis e é de lamentar que a oposição, que diz ser mais democrática e europeia, não tenha sabido controlar os desvaneios da multidão."

Fracassadas estas tentivas da oposição, o caminho traçado por esta foi outro. Como a Constituição da Moldávia obriga a que o Presidente seja eleito pelo Parlamento com maioria alargada, necessita o voto favorável de pelo menos 61 deputados em 101, entrou-se numa crise política, que acabou com a dissolução do Parlamento e com a marcação de novas eleições.

Nas eleições antecipadas, o PC moldavo foi novamente o partido mais votado, porém conseguiu, apenas eleger 48 deputados, o que fez com que todos os partidos da oposição conseguissem formar maioria alargada no Parlamento. O mais curioso destas eleições antecipadas, foi o descaramento "democrático" do líder dos liberais, Vlad Filat, que apelou a que: “desta vez o Partido Comunista demonstre maturidade e, em nome do interesse nacional, aceite a derrota.” Fazendo de conta que não contribiu a priori para a séria crise política e social em que o país cai e que não ignorou a vontade popular expressa nas primeiras eleições.

Actualmente o Governo de todos os interesses da Moldávia quer incluir na Constituição do país, a ser referendada este Verão, a proibição de utilização de todos os nomes e símbolos comunistas.

Pouco interessa se o PC moldavo foi o único partido que sempre aceitou o resultado que obteve em qualquer eleição no país, o que na verdade importa, é limpar do mapa uma força política maioritária na sociedade, que estorva a elite moldava.
 

A Comuna 33 e 34

A Comuna 34 capa

A Comuna 34 (II semestre 2015) "Luta social e crise política no Brasil"EditorialISSUUPDF

 capa A Comuna 33 Feminismo em Acao

A Comuna 33 (I semestre 2015) "Feminismo em Ação"ISSUU | PDF | Revistas anteriores

 

Karl Marx

 

 
 

Pesquisa


Newsletter A Comuna

cabeca_noticias

RSS Esquerda.NET